Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Espaços Urbanos’ Category

Por: Rafael Almeida de Oliveira – Dê crédito aos autores!

O Turismo e a Criação de Não-Lugares: Um Estudo de Caso sobre a Cidade de Dubai

By ELMOBAYAD

RESUMO

Esse trabalho analisou como a criação de não-lugares pode ser justificada pela proposta de desenvolvimento baseada no consumo turístico. O questionamento sobre o assunto abordado surgiu inicialmente em uma discussão acadêmica sobre a criação de não-lugares como uma tendência incentivada pela política de turismo, vinculada ao discurso político de desenvolvimento. Para tanto, foi feito um estudo de caso sobre a cidade de Dubai – localizada no deserto dos Emirados Árabes Unidos – e sua proposta de desenvolvimento turístico. O objetivo do estudo de caso é identificar as implicações da criação de não-lugares na cidade. Para isso, foram feitas pesquisas bibliográficas sobre o tema em questão e pesquisa documental nos meios de comunicação referentes ao lugar pesquisado. O objetivo do trabalho foi demonstrar através do estudo de caso que a criação de não-lugares é impulsionada por uma proposta de desenvolvimento apoiada na idéia de globalização, gerando contradições e diferentes realidades nos setores distintos da sociedade. Após o estudo de caso, concluiu-se que muitas vezes, a tendência de apostar no desenvolvimento do turismo apenas na criação de não-lugares pode resultar, a longo prazo, em um crescimento econômico para a economia e não um desenvolvimento, pagando um alto custo social e ambiental e redefinindo a identidade do lugar.

Palavras-chave: Não-lugar, lugar, desenvolvimento global, desenvolvimento local, crescimento econômico, empreendimento turístico, identidade, mídia, globalização, consumo, Dubai.

Para ler o documento na integra, clique aqui.

Não se esqueça de dar crédito aos autores!

Compartilhe!
Bookmark and Share

Anúncios

Read Full Post »

Por: Rafael Almeida de Oliveira – Dê crédito aos autores!

Descentralização: Um Paralelo entre os Circuitos Turísticos de Minas Gerais e o Modelo Francês de Regionalização do Turismo

Bandeira França

RESUMO

Esse trabalho realizou uma análise dos temas descentralização e regionalização dentro do contexto do turismo. Para tanto, foi feito um paralelo entre dois modelos de regionalização do turismo: o sistema francês e o programa de  Circuitos Turísticos de Minas Gerais baseado no primeiro. O principal objetivo foi avaliar quais eram as principais semelhanças e diferenças entre ambos os sistemas e verificar os resultados da implementação de uma mesma política de turismo em duas realidades distintas. Foram consultadas pesquisas já realizadas sobre o sistema francês e o programa mineiro, além de um levantamento documental, coleta de dados estatísticos em instituições de reconhecimento nacional e internacional e entrevistas com gestores da Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur). Os resultados mostraram que apesar do programa de Circuitos Turísticos possuir uma maior grau de descentralização e autonomia dos poderes locais em relação ao sistema francês, essas características ainda não conseguiram resultar num maior desenvolvimento regional. Houve um avanço na participação local e consolidação das redes turísticas em Minas Gerais, mas a dificuldade de mobilização e a fragilidade das relações entre os participantes dos Circuitos ainda se demonstram como empecilho para o sucesso dessas associações.

Palavras-chave: Descentralização, regionalização, federalismo, turismo, planejamento turístico, relações intergovernamentais, políticas públicas.

Para ler o documento na integra, clique aqui.

Não se esqueça de dar crédito aos autores!

Compartilhe!
Bookmark and Share

Read Full Post »

Por: Ana Carolina Pontes, Anna Cristina Machado, Gustavo Pereira Pinto e José Geraldo de Moura Jr – Dê crédito aos autores!

Proposta de Plano Interpretativo Mariana – MG

Tema – Turismo Histórico Cultural: As Raízes das Tradições Mineiras

Proposta de Plano Interpretativo Mariana - MG

Proposta de Plano Interpretativo Mariana – MG

Objetivos

  • Apresentar a cidade sob uma nova perspectiva, despertando um novo olhar.
  • Abordar a vida privada no período colonial.
  • Reconstituir partes dos aspectos do cotidiano da vida colonial e sua interface com a formação do povo mineiro.

Não se esqueça de dar crédito aos autores!

Compartilhe!
Bookmark and Share

Read Full Post »

Sinalização Turística de Belo Horizonte

Sinalização de Orientação Turistica de Belo Horizonte

Palavras Chave: Sinalização Turística, Belo Horizonte, Turismo Urbano.

Para ler o documento na integra, clique aqui.

Não se esqueça de dar crédito aos autores!

Compartilhe!
Bookmark and Share

Read Full Post »

Por: Bianca Cadilhe, Clarice Federman, Felipe Caputo e Lívia Pacheco – Dê crédito aos autores!

1.INTRODUÇÃO

“Uma paisagem só se estabelece como tal a partir do momento em que é observada por alguém”. O uso constante dessa frase durante a disciplina da qual advém a pesquisa, se deve à importância da mesma para o entendimento da relação entre a paisagem e a atividade turística. Uma pessoa é atraída para determinado destino turístico devido à sensação que o mesmo proporciona aos que o visitam. Fotos, palavras e pinturas, são apenas algumas das formas de evidenciar as paisagens causadoras de tais sensações e, dessa maneira, motivar o potencial turista a conhecê-la. Além disso, paisagem é resultado da interação entre o meio natural e a ação do homem sobre ele, é, portanto, o vetor de atração de uma localidade, já que conjuga a busca pelo contato com a natureza com a vivência de outras culturas (os principais motivadores de viagens a lazer).

O estudo subjetivo da paisagem torna-se, portanto essencial para se descobrir sob qual viés os destinos turísticos devem ser explorados e quais as melhores maneiras de se proporcionar ao turista a experiência esperada e condizente com o contexto local.

Instituto Hilton Rocha

O objetivo do trabalho em questão consiste em realizar a análise territorial da Avenida José do Patrocínio Pontes, ou Anel da Serra, de Belo Horizonte e apontar, de acordo com a perspectiva dos pesquisadores, as características que permeiam a essência do trecho e viabilizam que o mesmo seja percebido de tal maneira.

Por meio desse estudo em escala reduzida pretende-se entender os métodos de pesquisa para que possamos posteriormente aplica-los no planejamento de locais públicos turísticos, atendendo as expectativas tanto dos moradores locais, quanto dos turistas. É interessante observar, portanto, que cada pessoa possui uma interpretação diferente de elementos coletivos de acordo com suas bagagens culturais, o que cria relações específicas individuais com a paisagem. Mas ainda sim é possível a estruturação de uma ordenação do espaço que possibilite a melhor utilização do mesmo por todos. E é nesse viés que se encontra o norteador do trabalho.

2. METODOLOGIA

Para a realização do trabalho foram realizadas pesquisas de gabinete e in loco. As pesquisas de gabinete se resumem em informações obtidas na internet e no conteúdo da disciplina de Paisagem e Turismo. Foram realizadas quatro visitas de campo na Av. Jose do Patrocínio Pontes ou Anel da Serra, essas se deram nos dias 20/04 (sexta-feira) , 01/06 (sexta-feira), 03/06 (domingo) e 27/06 (quarta-feira). As visitas realizadas em dias e horários diferentes foram essenciais para viabilizar as análises das diferentes percepções das pessoas que freqüentam a avenida em cada um dos dias.

As análises da paisagem no trecho selecionado foram norteadas por cinco formulários pré-estruturados além de um roteiro de perguntas (os quais se encontram anexados no trabalho) que foram aplicadas nos moradores, trabalhadores e visitantes da rua, o que mais uma vez, viabilizou a análise comparativa de dados fornecidos por diferentes perfis.

A pesquisa virtual objetivou conseguir informações sobre decretos e leis que vigoram na rua. Por meio da compilação das mesmas juntamente com o material estudado em sala de aula e as análises das percepções da Avenida foi possível a elaboração de um trabalho descritivo permeado por uma perspectiva subjetiva que possui forte aplicação prática. As considerações finais apresentam os resultados da investigação e a análise sobre a essência local.

3. HISTÓRICO

Devido à dificuldade de se encontrar informações sobre o histórico da Avenida José do Patrocínio Pontes, as informações aqui contidas são baseadas na fala de alguns moradores da mesma, assim como em algumas reportagens a ela relacionadas.

A avenida em questão teve o início de sua ocupação, que foi bastante gradual, a partir da construção do Instituto Hilton Rocha, um hospital localizado ao pé da Serra do Curral. Tal estabelecimento recebeu autorização para ser construído quando Rondon Pacheco era governador do estado de Minas gerais. A concessão teve caráter excepcional e foi impulsionada pela importância do cientista Hilton Rocha, fundador do Instituto e primeiro morador da avenida.


Bookmark and Share

(mais…)

Read Full Post »

Por: Danilo Raslan, Felipe Caputo, Filipe Elias e Gabriel Túlio – Dê crédito aos autores!

1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho consiste em um estudo sobre a Avenida Afonso Pena, no quarteirão das ruas Álvares Cabral e Guajajaras. Esta área é de grande importância histórica e cultural para Belo Horizonte, uma vez que possui edificações tombadas pelo IPHAN e o Parque Municipal da Cidade, um importante espaço verde dentro do sítio urbano.

É feita uma contextualização da área analisada, através de um breve histórico da cidade de Belo Horizonte, da Avenida Afonso Pena e dos principais edifícios que compõem a área, como o Palácio das Artes, o Conservatório de Música e o Automóvel Clube, além do Parque Municipal, que se apresenta como um espaço para desenvolvimento de atividades de lazer para a população de Belo Horizonte.

A área é bastante movimentada, tanto por pedestres, quanto por veículos, o que traduz a relevância de se estudar esta região, tendo como base a relação dos transeuntes e as edificações. Além disso, possui prédios de interesse turístico, conformando uma área complexa com usos diferenciados e um pertencimento de lugar bastante variado.

Afonso Pena

Dessa forma, o trabalho objetiva a análise da percepção territorial, levando-se em consideração as dimensões analíticas da arquitetura, como: levantamento dos recursos locais, que constitui uma investigação dos recursos locais para o desenvolvimento do turismo a partir de uma breve sistematização dos recursos naturais, históricos e culturais, dos tipos especiais de atrativos, do clima, da qualidade ambiental da região, da infra-estrutura urbana, serviços urbanos e dos serviços e equipamentos em áreas turísticas; morfologia do território, que se fundamenta na análise das formas que o território se estrutura, tendo como base o crescimento das edificações, o traçado e parcelamento do território, os tipos dos elementos que constituem o espaço e suas articulações; a percepção do meio ambiente, que consiste na análise do espaço existencial e seu nível de percepção, a fim de definir o genius loci que o lugar possui; análise visual, que é uma avaliação do lugar e seu conteúdo, com intuito de perceber qual o grau de pertencimento do usuário com o lugar; as qualidades territoriais, que analisa a imageabilidade do lugar, levando-se em consideração cinco elementos – caminhos, limites, setores, nós e marcos -, a legibilidade que avalia a facilidade com que o usuário faz a leitura do lugar e a identidade que consiste em diferenciar e identificar um espaço do outro, através da percepção do usuário; por fim, o comportamento ambiental, que é uma observação da paisagem local, avaliando os aspectos físicos do território e suas relações com os transeuntes.


Bookmark and Share

(mais…)

Read Full Post »

Por: Lucas BahienseDê crédito aos autores!

1 – A cidade hospitaleira

De acordo com Lúcio Grinover, a melhor forma de analisar se uma cidade é hospitaleira é analisando três dimensões fundamentais da cidade: acessibilidade, legibilidade e identidade.

1.1 – Acessibilidade

Uma política urbana correta deve se preocupar com o acesso à cidade por parte de qualquer indivíduo. Segundo Grinover, 2007 “A acessibilidade evoca diversos conceitos ligados às possibilidades de acesso dos indivíduos, ou de grupos sociais, a certas atividades ou a certos serviços que estão presentes na cidade, devendo proporcionar igualdade de oportunidade aos usuários urbanos. O acesso à cidade é direito de todos. Pode ser considerada como a disponibilidade de instalações ou meios físicos que permitem esse acesso, ou, ainda de acessibilidade sócio-econômica”.

Se formos analisar a acessibilidade física das cidades brasileiras em relação a como chegar a ela, por um lado perceberemos que são acessíveis. Afinal, é possível chegar à maioria das cidades brasileiras pelas rodovias, algumas por ferrovias e também pelos transportes aéreos.

No entanto, se analisarmos internamente uma cidade, tanto para a população residente quanto para turistas, notaremos a abordagem será diferente. Apesar da grande quantidade de pontes, avenidas e algumas evoluções em transportes urbanos, que interligam vários pontos a cidade e objetivam melhorar a qualidade do trânsito, perceberemos que as ruas e calçadas apresentam enormes dificuldades a idosos, crianças e deficientes físicos. Além disso, os transportes urbanos parecem ter sido elaborados somente para que pessoas jovens e sadias consigam utilizar.

Outra forma de termos acesso à cidade na atualidade, é através de meios de comunicação – televisão, revistas, jornais e internet. São muito utilizados pelo turista quando pretende visitar pela primeira vez uma cidade. É possível ter acesso a muitas informações sobre uma cidade por sites da Internet.

Quanto à acessibilidade sócio-econômica, também há um enorme problema. Muitas vezes, existem os serviços em determinadas cidades, mas infelizmente, devido ao baixo poder aquisitivo de grande parte da população brasileira, esses serviços são desfrutados por uma pequena parcela da população, ou até mesmo por turistas, que muitas vezes acabam tendo acesso a bens e serviços que o próprio morador não tem.

1.2 – Legibilidade

Por legibilidade, entende-se a qualidade visual de uma cidade, de um território, examinada por meio de estudos da imagem mental que dela fazem, antes de qualquer outro, os seus habitantes. (…) Com legibilidade pretende-se indicar a facilidade com que partes de uma cidade podem ser reconhecidas e organizadas num modelo coerente. (Grinover, 2007)

A imagem mental concentra-se na legibilidade (clareza) da paisagem das cidades. É um termo que possui a finalidade de indicar a facilidade com que as partes da cidade como obra arquitetônica podem ser reconhecidas e organizadas em um modelo coerente. Para Lynch, uma cidade poderia ser considerada coerente quando seus bairros, marcos e vias pudessem ser facilmente abstraídos em um modelo mental. Lynch acredita que um cenário urbano intenso e integrado é capaz de produzir uma imagem definida podendo, desse modo, desempenhar também um papel social oferecendo-se como um material objetivo na construção de símbolos e representações coletivas da comunicação do grupo. “No processo de orientação, o elo estratégico é a imagem ambiental, o quadro mental generalizado do mundo físico exterior de que cada indivíduo é portador. Essa imagem é produto tanto da sensação imediata quanto da lembrança de experiências passadas, e seu uso se presta a interpretar as informações e orientar ações”. (Kevin Lynch)

A cidade possui um sólido e poderoso significado expressivo, ou seja, ela é em si um forte símbolo social. Portanto, é possível perceber imagens públicas no meio urbano. As imagens públicas são imagens mentais comuns a vastos contingentes de habitantes de uma cidade. Elas são a interação de uma única realidade objetiva, de uma cultura e natureza fisiológica comum aos habitantes de determinada localidade.

1.3 – Identidade

A cidade é um sistema de signos, um vocabulário dominado pelo cidadão. Os lugares vivos constituem referências para a memória e as culturas locais. É essencial o cultivo da memória urbana. O historiador, o poeta, o músico fazem do todo e dos fragmentos da cidade o foco da organização de lembranças e da libertação de emoções. A emoção impregna o meio ambiente popular urbano. A cidade é um composto de pedras e tijolos acumulados, e de costumes e afetos praticados pela população urbana. (CANEVACCI)

A identidade de uma região, de uma cidade, é, ao mesmo tempo o passado vivido por seus atores e um futuro desejado por eles. (Grinover, 2007)

A identidade cultural pode ser analisada a partir dos conceitos social e cultural. O conceito de social diz respeito à totalidade das relações – de produção, de exploração, de dominação – que os grupos mantém entre si dentro de um mesmo conjunto – etnia, lugar, região, nação – e para com outros conjuntos. Portanto, a cultura, nada mais é do que o próprio social, mas considerado, sob o ângulo dos diferentes comportamentos individuais dos membros deste grupo, bem como suas produções originais.

Portanto, a identidade cultural é um processo de reconhecimento que o sujeito social realiza ao viver numa cultura e assume como algo próprio, os valores característicos de uma determinada cultura, ou seja, é a forma como os sujeitos sociais incorporam e expressam – através da vivência – os elementos da cultura dos grupos do qual fazem parte.

Sendo a cultura, e conseqüentemente a identidade cultural, alterada sob o efeito de iniciativas da sociedade, o turismo revela-se um elemento importante na compreensão dessas alterações.

O turismo, enquanto atividade que atende a lógica do mercado e do consumo capitalista, revela-se na atualidade um grande transformador da valorização dos espaços, uma vez que estes são transformados em mercadorias consumidas pelo turista. Há também modificações nas relações que se desenvolvem com este espaço e sobre este espaço, uma vez que há a valorização e recriação de hábitos regionais.

Portanto a invenção do objeto de estudo do turismo se dá através da combinação entre o natural e o cultural, sendo que a cultura atribui significados àquele primeiro. Assim, a cultura como produto das relações entre os homens e o seu lugar, que dá sentido a este lugar, subsidia a invenção do objeto turístico.

Referências

GRINOVER, Lucio. A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo: Alpeh, 2007.

Não se esqueça de dar crédito aos autores!

Compartilhe!
Bookmark and Share

Read Full Post »

Older Posts »